Zaca, W. 2003. Dieta de Penelope superciliaris




Yüklə 5.9 Kb.
tarix22.04.2016
ölçüsü5.9 Kb.
RESUMO

Zaca, W. 2003. Dieta de Penelope superciliaris Spix, 1825 (Aves, Cracidae) em um fragmento de mata semidecídua de altitude no sudeste brasileiro. Dissertação de Mestrado em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais. UFU. Uberlândia-MG. 35p.



A ecologia alimentar dos vertebrados frugívoros é importante, pois deles depende o estabelecimento demográfico da maioria das espécies de plantas. Este estudo teve por objetivos identificar, estimar e caracterizar a dieta de Penelope superciliaris, bem como verificar o potencial de germinação de sementes de frutos ingeridos por essas aves. A pesquisa foi desenvolvida no período de março de 1999 a outubro de 2000 em um fragmento de mata semidecídua no Parque Municipal do Itapetinga, em Atibaia, SP. Para observação da dieta das aves foram utilizados os métodos transecto percorrido, árvore-focal, além de coletas de amostras fecais em diferentes ambientes presentes na área de estudo. A diversidade mensal das espécies de frutos encontrados nas amostras fecais foi verificada pelo Índice de Diversidade de Simpson. Entre abril e outubro de 2002 foram realizados experimentos de germinação, com aves mantidas em cativeiro. Diferenças sazonais na dieta e nas taxas de germinação entre sementes controle e tratamento e características morfológicas de frutos mais consumidos foram comparadas pelo teste 2. Foram obtidos 25 registros de alimentação (feeding-bouts) e 23 contatos com Penelope superciliaris. O maior número de registros de alimentação e contatos se deu no interior da mata em alturas entre 5,1 a 10 m. Penelope superciliaris consumiu frutos em todos os meses de estudo (2 = 3,16; p > 0,05) e o consumo de folhas e flores apresentou dois picos nas estações secas (2 = 61,42; p < 0,001). A dieta de Penelope superciliaris foi composta por frutos de 51 espécies de plantas pertencentes a 26 famílias, além de folhas e flores. As famílias Myrtaceae, Rubiaceae e Solanaceae foram as mais bem representadas nas amostras fecais. O número de espécies encontradas mensalmente nas amostras fecais variou de um a nove, e a diversidade (Índice de Simpsom) variou de um a seis, sendo que nos meses de abril, maio e dezembro de 1999 e janeiro de 2000 a diversidade de sementes foi baixa em relação ao número de espécies. As sementes mais encontradas nas amostras fecais pertenciam a frutos do tipo drupóide (48,59%) e bacóide (36,68%), havendo uma preferência significativa pelo primeiro (2 = 5,04; p < 0,05); e de cor vermelha (53,33%) e preta (33,33%), sendo os vermelhos mais consumidos (2 = 10,62; p < 0,05). As sementes das espécies Ficus enormis, Miconia cinnamomifolia e Aegiphila sellowiana apresentaram altas taxas de germinação, após a passagem pelo tubo digestório de Penelope superciliaris, enquanto Psychotria sessilis e Didymopanax angustissimum apresentaram menores índices, tendo a última apresentado maior taxa para as sementes controle. Penelope superciliaris apresenta preferência por áreas florestadas e possui uma grande plasticidade alimentar, refletida pelo alto número de espécies incluídas em sua dieta. As altas taxas de germinação das espécies que passaram pelo tudo digestório das aves indicam que elas podem ser consideradas potenciais dispersoras de tais plantas.
Palavras-chave: Penelope supercilaris, Cracidae, frugivoria, dispersão de sementes, germinação de sementes.


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©azrefs.org 2016
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə