Topografia do fundo oceânico




Yüklə 11.4 Kb.
tarix21.04.2016
ölçüsü11.4 Kb.
Topografia do fundo oceânico
1) A acumulação de sedimento em oceano aberto é derivado largamente de conchas de organismos flutuantes. Explique porque os sedimentos são mais grossos na cordilheira meso-oceânica próximos da crista?

Na medida em que aumenta a profundidade, afastando-se da plataforma continental, os sedimentos que recobrem o fundo oceânico vão-se tornando cada vez mais diferente. Nas planícies abissais assume uma textura fina, conhecida como vaza, sendo classificada em silicosa e calcária, de acordo com o tipo de organismo que lhe deu origem. Até os cinco mil metros de profundidade a vaza é predominantemente formada pela deposição das carapaças de microrganismos calcários, como os de foraminíferos e de certas algas. Abaixo dessa profundidade, denominada Profundidade de Compensação do Calcário, os sedimentos calcários estão ausentes devido a enorme pressão que faz com que o carbonato de cálcio fique dissolvido na água. Abaixo dos cinco mil metros a vaza mais comum é a de natureza silicosa, formada a partir das carapaças de diatomáceas e radiolários silicosos, que afundam desde a superfície. Porém a maior parte do fundo oceânico é coberta por uma argila vermelha, rica em alumínio e cobre.

Nas cristas basalto é o tipo de rocha mais comum, aflorando em áreas de deposição vulcânica recente e em pontos onde as correntes marinhas não trouxeram sedimentos continentais. Nódulos de ferro e manganês são também muito freqüentes. Nessas regiões o sedimento é mais grosseiro pela proximidade da área fonte (pouco retrabalhamento).
2) A cordilheira meso-oceânica é comumente descrita como arco amplo ou onda que foi quebrada por falhas. Como as falhas são expressas no perfil das reflexões sísmicas?

As falhas são desníveis no terreno da planície abissal, formando como um degrau. No perfil elas aparecem justamente como na definição, um degrau. Na imagem obtida é como se tivesse ocorrido um escorregamento de parte do assoalho. (Ver figura)


3) Desenhe todas as falhas maiores desse perfil. Qual evidência indica que esse seguimento da crosta está sob tensão antes da compressão?

A evidência maior que indica que a crosta está sob tensão antes da compressão é que as falhas separam partes semelhantes do perfil, antes de haver uma modificação nestas (a camada mais escura deveria ser contínua, porém, parte subsidiu e sofreu uma posterior deposição que a modificou, deixou-a “mais aplanada”).

4) Descreva brevemente a topografia da colina abissal. Considere as características, formas e tamanho. Como essas colinas estão distribuídas e quão freqüentemente elas ocorrem.

Colinas Abissais são conjunto de pequenas elevações do fundo oceânico, topograficamente bem definidas, podem atingir 1000 m de altitude, com extensões que variam entre os 100 m e 100 Km.

Muitas das províncias de colinas abissais ocorrem nas planícies abissais junto à base das rampas continentais. Existem também colinas abissais, ou grupos destas, no meio das planícies abissais, freqüentemente imprimindo a estas um caráter ondulado.

É provável que as colinas abissais existam em todo o fundo oceânico, mas em muitos casos, estão totalmente cobertas por sedimentos pelágicos.

No Oceano Atlântico existem longas províncias de colinas abissais dispostas paralelamente aos flancos da Crista Média Oceânica. No Pacífico, entre 80% e 85% do fundo oceânico está coberto por colinas abissais. Tal fato se deve a existência de numerosas fossas abissais e elevações que isolam o fundo oceânico, inibindo fornecimento sedimentar abundante que poderia suavizar e cobrir estes relevos.

5) Essas colinas abissais são as mais difundidas características topográficas do nosso planeta. Qual é a origem dessas colinas abissais?

A maior parte das colinas abissais tem composição e origem análogas às proeminências extrusivas basálticas dos flancos das cristas médias oceânicas. Porém, existem outras, aparentemente pouco freqüentes, cuja origem é sedimentar (provavelmente devido a movimentações relacionadas com a compactação da coluna sedimentar).



6) Qual evidência indica que fraturas são falhas?
As zonas de fratura são zonas em que as cristas oceânicas são deslocadas por falhas transformantes localizadas perpendicularmente a essas cristas.

9) Qual é a maior diferença entre a colina abissal e a planície abissal?
Colinas Abissais são conjunto de pequenas elevações do fundo oceânico, com diâmetros que variam entre algumas dezenas a várias centenas de metros, podendo atingir 1000 m de altitude, com extensões que variam entre os 100 m e 100 Km. A maior parte das colinas abissais tem composição basálticas, embora, algumas raras, sejam sedimentar.

Planícies Abissais constituem extensas áreas aplanadas, localizadas a profundidades que variam entre 3000 e 6000 metros de profundidade. A variação de profundidade nas superfícies constituídas pelas planícies abissais é apenas de 10 a 100 cm/km. O contorno é irregular, mas tendem a ser alongadas latitudinalmente. As maiores apresentam larguras da ordem de centenas de quilômetros. São de origem sedimentar, principalmente do tipo terrígeno.

10) Como a planície abissal é originada?

A aplanação típica destas superfícies deriva da acumulação sedimentar, principalmente do tipo terrígeno, que cobriu e suavizou a topografia pré-existente caracterizada pela presença de colinas abissais ou por uma topografia irregular (uma coluna sedimentar – com espessura freqüentemente superior a um quilômetro – foi depositada sobre o fundo ondulado).


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©azrefs.org 2016
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə