A terra, um planeta único a proteger




Yüklə 76.32 Kb.
tarix21.04.2016
ölçüsü76.32 Kb.
Geologia

A Terra, um planeta único a proteger

A face da Terra. Continentes e fundos oceânicos

A superfície da Terra é constituída por continentes e oceanos. Os oceanos ocupam dois terços da superfície da Terra, a crosta continental é menos densa, mais espessa, mais antiga e mais deformada do que a crosta oceânica. Os fundos oceânicos são mais densos, constituídos por basalto.

As rochas dos fundos oceânicos são geologicamente mais jovens e não estão deformadas, os principais componentes estruturais dos continentes são: Escudos ou cratões, plataformas e cadeias montanhosas.

Escudos ou cratões são regiões extensas e planas formadas por rochas antigas, que podem ser magmáticas ou metamórficas altamente deformadas, e apresentam história geológica muito variadas.
Plataformas são zonas dos escudos ou cratões mas que estão cobertas por sedimentos de origem marinha, e ainda apresentam as características da sua deposição original.
Cadeias montanhosas são zonas longas e lineares da crosta terrestre onde as rochas foram deformadas durante a lenta colisão entre duas placas litosféricas, atividade magmática e metamórfica que, no seu conjunto, se designam orogenia.

Orogenia é a designação do processo que leva à formação de cadeias montanhosas.

Se tivermos uma plana continental e uma placa oceânica, a placa continental por ser menos densa, afunda-se.


Quando temos a colisão de uma placa oceânica (mais densa) e uma placa continental (menos densa), a placa oceânica mergulha por baixo da continental numa zona designada por zona de subducção.
Quando são placas continentais a colidir, de inicio ocorre dobramento, mas depois a mais densa acaba por mergulhar (afunda). É o que acontece no Pacifico, na formação da cadeia dos Andes.

Os principais componentes estruturais dos fundos dos oceanos são:


Do domínio continental: Plataforma continental e talude continental.

Do domínio oceânico: Planície abissal, crista médio-oceânica e fossa oceânica.


Plataforma continental: Corresponde aos prolongamentos submarinos dos continentes e a sua profundidade não ultrapassa os 200 m. Os relevos são modestos, cobertos por sedimentos transportados pelos rios ou pelos glaciares. De uma forma geral, as plataformas do Oceano Atlântico são mais largas que as plataformas do Oceano Pacifico.

Talude continental: É domínio de transição entre o continente e o oceano. Nestas zonas, o declive é acentuado e estende-se até às zonas profundas do oceano. Por vezes, nos taludes ocorrem depressões profundas, em forma de desfiladeiros ou vales que desaguam nos fundos dos oceanos.
Planícies abissais: Apresentam inclinações muito suaves. Estas planícies iniciam-se a seguir aos taludes continentais e terminam nas cristas médio-oceânica. Por vezes, estas superfícies aplanadas são interrompidas por montes e montanhas submarinas. Nas planícies abissais ocorre a deposição de grande quantidade de sedimentos finos e matéria orgânica de origem marinha.
Dorsal médio-oceânica: Corresponde a uma forma de relevo considerável e contínua à escala do planeta. Do centro desta estrutura até às planícies abissais, é possível definir diversas zonas, tais como:

  • Um vale de rifte profundo

  • Cumes muito acentuados paralelos ao rifte, de declives mais suaves para as planícies abissais.

  • Relevos mais modestos, paralelos ao rifte

  • Fraturas mais longas, designadas falhas geológicas transformantes que recortam perpendicularmente todas as estruturas existentes na crista médio-oceânica.


Fossas oceânicas: Estão profundamente entalhadas no fundo oceânico. Localizam-se perto da base do talude continental, nas proximidades de cadeias montanhosas que ocorrem nas margens dos continentes.

Nas cristas médio-oceânicas existem riftes, que são aberturas provocadas pela separação de duas placas tectónicas, e ao longo do rifte ocorre a ascensão de magma, o que dá origem à constante renovação dos fundos oceânicos.

O crescimento populacional e o desenvolvimento económico e tecnológico permitiu um aumento da exploração dos recursos naturais. Inicialmente só se falava em recursos renováveis e recursos não renováveis. Os recursos renováveis são aqueles que ciclicamente são repostos pela natureza, num intervalo de tempo compatível com a duração da vida humana. Os recursos não renováveis formam-se a um ritmo muito lento, de tal modo que a taxa da sua reposição pela Natureza é infinitamente menor que a taxa do seu consumo pelas populações humanas, são recursos finitos. Devido à sobre-exploração de alguns recursos, ficaram limitados. Por exemplo, é o caso da água potável, a sobre-exploração e o desperdício é de tal ordem que hoje a água potável é considerada um recurso limitado.
Combustíveis fósseis: Não renovável

Energia solar: Altamente renovável

Energia nuclear: Não renovável, para obter energia nuclear é necessário a exploração de elementos radioativos existentes na Terra, levam muito tempo a formar-se.

Água potável: Renovável, mas limitado

Energia das marés: Renovável

Energia geotérmica: Renovável
O que será mais importante, um litro de água ou um litro de petróleo?

Apesar do petróleo ser mais caro por ser muito limitado, a água é muito mais importante, pois, sem ela não existe vida. Isto de uma forma geral, para provar que nem sempre o mais caro é mais valioso.

A energia geotérmica também é interessante, pois esta energia deriva do calor interno da Terra, que à partida existe muito, mas cuidado com a sobre-exploração porque esse calor também um dia irá acabar claro, que será daqui a muitos milhões de anos, mas terá o seu fim.

Desenvolvimento sustentável é um modelo de desenvolvimento que vai ao encontro das necessidades no presente mas sem comprometer as gerações seguintes.

O que fazer para uma melhor gestão ambiental? Virarmo-nos para a exploração das energias renováveis, redução da produção de resíduos e reciclagem, baixar drasticamente a poluição por nós provocada. Atualmente já se fala em política dos 5 R’s, além de reciclar, reduzir e reutilizar temos de respeitar e responsabilizar. O ordenamento do território também é uma importante medida na gestão ambiental, pois para poder evitar construções desenfreadas e a qualquer preço. Existem pessoas que até fazem as suas casas em zonas de risco, quais poderão ser consideradas zonas de risco? Construções feitas sobre arribas só pelo belo prazer de estar a ver a paisagem sobre o mar, casas construídas em zonas de vertente (muito inclinadas).

A conservação do património geológico também é muito importante, por exemplos nos Açores, temos as Lagoas do Fogo e Sete cidades, o Vulcão dos Capelinhos, algar do Carvão, Pico e outros. Recuperação de áreas degradadas e em Portugal Continental temos um caso que nos podemos orgulhar, onde existe hoje o Parque das Nações, antes era uma zona totalmente degradada e feia.

O Principio do Poluidor – Pagado estabelece que quem polui deve pagar pela poluição causada ou pode vir a causar. Se conseguirmos aplicar este principio com justiça, será uma grande medida no combate ao desperdício e à poluição.


Métodos para o estudo do interior da geosfera


Existem dois tipos de métodos para o estudo do interior da Terra, os métodos diretos e os métodos indiretos.
Os diretos permitem contacto direto com os materiais. Por exemplo: as sondagens, as minas, as lavas e xenólitos (fragmentos de rochas que vêm junto com o magma) e a observação da superfície terrestre.
Os indiretos não permitem contacto direto com os materiais, apenas podemos inferir, tirar conclusões com base em observações, fotos, imagens. Por exemplo: a planetologia, astrogeologia, a sismologia, vulcanologia, gravimetria, geomagnetismo.

A temperatura aumenta com a profundidade terrestre. À taxa de variação da temperatura com a profundidade dá-se o nome de gradiente geotérmico.


A origem do calor interno da Terra é proveniente do Núcleo, principalmente da desintegração de elementos radioativos existentes no interior da Terra. Assim, porque o interior da Terra ser mais quente do que a superfície, cria-se uma transferência de calor do interior para o exterior, que se designa por fluxo térmico.

No entanto, até determinada profundidade a temperatura permanece praticamente constante, essa zona é designada por zona de temperatura constante.


O grau geotérmico não é um valor fixo, foi definido para a Terra um valor médio de 33 metros. Porque razão o grau geotérmico não será um valor fixo? Porque existem zonas tectonicamente ativas (Açores, Itália), mas também existem zonas tectonicamente estáveis (Rússia, Alemanha).
Apesar da elevada temperatura não permitir que o Homem viaje até ao interior do planeta, todos nós aprendemos que tem crosta, manto e núcleo e até dizemos se está no estado sólido ou líquido. Como se fazem estes modelos (página 141) para o interior da Terra? Fazem-se através das informações dadas pelos métodos indiretos.
Geomagnetismo é um método indireto.

Geomagnetismo: É o campo de forças magnéticas que envolve a Terra, o planeta comporta-se como um gigantesco íman.
Existência do geomagnetismo

  1. O núcleo é composto por metais.

  2. No núcleo esterno esta liga de metais está no estado líquido e em movimento de rotação.

  3. Este movimento de rotação cria uma corrente elétrica, a qual origina o campo magnético da Terra.

Admite-se que ao longo da história da Terra, verificou-se inversões de polaridade do campo magnético.

O pólo norte magnético nem sempre coincide com o pólo norte geográfico, admite-se que as inversões de polaridade estejam relacionadas com o desaparecimento em massa de espécies. Mas também é verdade que o campo magnético protege a vida terrestre uma vez que funciona como um “escudo” que protege os planetas dos ciclónicos ventos solares.
Qual é então o grande contributo do geomagnetismo para o conhecimento do interior da Terra?
O geomagnetismo, também designado magnetismo terrestre, é o conjunto de fenómenos que resultam das propriedades magnéticas das rochas. A existência de geomagnetismo sugere-nos que o interior da Terra terá de ter constituição metálica, pois, se fosse rochosa, não era criada nenhuma corrente elétrica, logo não existiria campo magnético.

Sabemos que o nosso planeta atrai para si todos os corpos que se encontram na sua proximidade, isto é, a gravidade.


À variação de velocidade experimentada pelos corpos em queda livre, devido à gravidade terrestre, dá-se o nome de aceleração de gravidade.
A gravimetria é que mede a aceleração da gravidade em diferentes locais da Terra.

A aceleração da gravidade depende principalmente da densidade dos materiais e da distância ao centro da Terra.


A densidade das rochas à superfície terrestre têm uma densidade entre 2,7 e 2,9 g/cm3, a e densidade média do planeta é de 5,5 g/cm3.

Isto leva-nos a concluir que o interior do planeta será constituído por materiais muito densos, pensa-se então que existirá ferro e níquel.

A gravimetria permite assim inferir que a densidade dos materiais que constituem a geosfera é variável, lateralmente e em profundidade. Além disso, a gravimetria é aplicada para identificar materiais de interesse económico. Ex: Ouro, pirite, etc…

Vulcanologia


Vulcanologia é a ciência que estuda a formação, distribuição e classificação dos fenómenos vulcânicos. Pois os fenómenos vulcânicos inclui os vulcões, mas também fenómenos associados, pois podemos considerar a existência de vulcanismo primário caracteriza-se pela ocorrência de erupções.
Vulcão é uma estrutura natural (abertura na superfície terrestre).
Erupção verifica-se quando há saída de material com origem no interior da Terra.
Vulcanismo primário
Pode ser essencialmente de dois tipos:

  • Central

  • Fissural


Central: O aparelho vulcânico designa-se por vulcão e é constituído por: Cone vulcânico; chaminé vulcânica; cratera e câmara magmática.
Fissural: Não existe aparelho vulcânico, mas sim uma fissura (fratura) ao longo da qual ocorrem erupções.
O magma ao ascender à superfície vai libertando os gases, transformando-se assim em lava (encontra-se à superfície da Terra). Lava é magma desgaseificado (sem gases).

Como se formou a Lagoa do Fogo, primeiro a caldeira e depois a lagoa?
Depois da saída total ou parcial do magma que estava na câmara magmática o cone torna-se instável e a parte de cima (cratera) abate devido à falta de apoio, formando-se uma caldeira, se depois houver retenção de água forma-se uma lagoa.
Durante uma erupção são expelidos diversos tipos de materiais, tais como:


  • Materiais sólidos: Piroclastos ou tefra

  • Materiais líquidos: Lava

  • Materiais gasosos: Gases


Piriclastos: Podem ser classificados tendo em conta uma dimensão, tendo-se por isso: Cinzas: Menos de 2mm; Lapilli ou Bagacina: Entre 2mm e 50 mm; Bombas: Mais de 50mm
As bombas vulcânicas têm uma forma característica, designada por fusiforme, porque terão esta forma?
Adquirem a forma de fusiforme porque, quando a lava é projetada a grande velocidade ela vai arrefecendo no ar, solidificando e adquirindo uma forma alongada.

A lava é então magma desgaseificado, mas a composição da lava é muito importante pois determina o tipo de erupção ( explosiva; efusiva; mista).

Classificação da lava tendo em conta a % de sílica ( SiO2)


  • Lavas básicas: Menos que 52% de sílica

  • Lavas intermédias: Entre 52% e 65% de sílica

  • Lavas ácidas: Mais que 65% de sílica

Classificação da lava tendo em conta a viscosidade




  • Lavas viscosas

  • Lavas fluidas


Lavas viscosas: São ricas em sílica (ácidas), têm dificuldades em libertar gases e possuem temperaturas próximas de 800ºC, assim têm muita dificuldade em escorrer. Por vezes são tão viscosas que o próprio magma solidifica no interior da chaminé.
Lavas fluidas: São pobres em sílica (básicas), têm muita facilidade em libertar os gases e possuem temperaturas próximas dos 1500ºC, assim têm muita facilidade em escorrer formando os designados rios de lava.

Quando as lavas fluidas solidificam podem dar origem:




  • Lavas encordoadas ou pahoehoe

  • Lavas escoriáceas ou aa

  • Lavas em almofada ou pillow

Quando as lavas viscosas solidificam podem dar origem:




  • Agulhas vulcânicas

  • Domas ou cúpulas

  • Nuvens ardentes ou escoadas piroclásticas



As nuvens ardentes são extremamente perigosas porque são densas nuvens de cinzas e gases incandescentes, que se deslocam muito próximo da superfície terrestre devido à sua elevada densidade, com temperaturas muito elevadas e grandes velocidades, podendo ter ácidos tóxicos. Devido a estas características, as nuvens ardentes destroem tudo por onde passam, não existe planta ou animal que sobreviva.
Podemos concluir que as características das lavas determinam o tipo de erupções
As lavas viscosas estão na origem de erupções explosivas porque têm dificuldades em escorrer, por isso, solidificam rapidamente, por vezes até na chaminé e cratera do vulcão, assim havendo mais magma que quer ascender, empurra essa lava solidificada provocando explosões.
As lavas fluidas estão na origem de erupções efusivas (calmas), pois, as lavas fluidas escorrem muito facilmente, assim não ocorrem explosões. A lava está sempre no estado liquido, pode é ser mais ou menos viscosa.
As erupções mistas dão origem a lavas que não são nem muito viscosas nem muito fluidas.
Vulcanismo Secundário
O vulcanismo secundário pode também designar-se por vulcanismo atenuado ou residual. Manifesta-se unicamente pela libertação de gases dando origem a manifestações suaves, mais calmas da atividade vulcânica, como:


  • Nascentes termais: Nascentes de águas quentes e ricas em sais minerais. Em alguns casos, as águas libertadas resultam do arrefecimento e consequente condensação do vapor de água que se liberta do magma. Nestes casos, as águas termais são águas magmáticas ou juvenis. As nascentes termais podem ter efeitos medicinais.

  • Fumarolas: Emissões de vapor de água, por vezes acompanhadas de outros gases.

  1. Enxofre: Designam-se sulfataras.

  2. Dióxido de carbono: Designam-se mofetas (Gases que emitem são tóxicos)




  • Géiseres: Emissões intermitentes de jatos de água em ebulição. A água sobreaquecida ascende a reservatórios subterrâneos, sujeitos, inicialmente, a uma pressão que impede a sua ebulição. O vapor de água aumentará a pressão no reservatório, fazendo com que este ascenda, arrastando água consigo.

Os fenómenos do vulcanismo secundário são mais uma prova de que existe calor armazenado no interior da Terra. Este calor constitui uma importante fonte de calor de energia geotérmica. Dependendo da temperatura da água e vapor de água, poderá ser utilizada de variadas formas.


Se a temperatura do fluido for elevado, ou seja, entre 150 a 300ºC, designa-se por alta entalpia, e pode ser utilizado para a produção de energia elétrica.
Normalmente a ocorrência de erupções ocorrem nas zonas de fronteira das placas tectónicas.


  • Vulcanismo de subducção ocorre quando existe colisão de duas placas. Este tipo de vulcanismo representa cerca de 80% dos vulcões ativos do planeta.




  • Vulcanismo de vale rifte ocorre nas zonas de afastamento de placas tectónicas, e representam cerca de 15% dos vulcões ativos do planeta.


Estes dois tipos ocorrem em zonas de fronteira de placas.


  • Vulcanismo intraplaca é um pouco diferente, pois ocorre no seio de uma placa e nas suas fronteiras, explica a existência de ilhas no interior de placas oceânicas e também vulcões no interior dos continentes.


Distribuição geográfica dos vulcões
As zonas de maior atividade vulcânica coincidem com as zonas de fronteiras entre placas tectónicas, mas a maioria dos vulcões fica no designado Anel de Fogo do Pacifico.
Anel: Porque forma uma espécie de círculo.

Fogo: Porque está relacionado com vulcões.

Pacifico: Porque fica praticamente à volta do Oceano Pacifico.

Será possível fazer previsões de erupções?
Existem alguns sinais que podem ajudar-nos a perceber que algo está para acontecer. Por exemplo, a ocorrência de sismos (principalmente de crises sísmicas, em que ocorrem muitos sismos mas de fraca magnitude), são sempre uma preocupação.


  • Aspetos que podem ajudar na previsão de erupções:

Redes sísmicas; vigilância geoquímica das fumarolas; controlo hidroquimico de poços; nascentes; furos; estudos de deformações da crosta…etc.
Ao tentar interpretar a história eruptiva do vulcão, esta permite estimar a duração dos seus períodos de repouso, e assim prever (sob reserva), possíveis futuras erupções. A prevenção é um aspeto muito importante a ter em conta, a definição de zonas de risco, manter as populações informadas dos riscos associados às erupções e informar as populações dos planos de evacuação.

Sismologia


Sismologia é a ciência que se ocupa do estudo dos sismos ou tremores de terra.
Sismo: Movimentos vibratórios com origem nas camadas superiores da Terra, provocados pela libertação de energia.

A maioria dos sismos são tectónicos ou seja, originam-se por rutura e movimento súbito das rochas que sofreram a ação de forças para além dos seus limites de plasticidade.


A teoria que explica como se desencadeia um sismo é a teoria do ressalto elástico: As rochas quando sujeitas à ação de forças tectónicas experimentam deformações, enquanto isso, acumulam energia. Mas com o continuar da ação, a partir de certa altura é ultrapassada a capacidade de resistência dos materiais e ocorre rutura dos materiais, originando-se uma falha. Quando ocorre rutura há a libertação de energia, em parte como calor e sob a forma de ondas sísmicas. Esta Teoria foi proposta por Harry F.Reid em 1991.

O que distingue um sismo de um terramoto?
Num terramoto liberta-se uma quantidade maior de energia do que num sismo.

O que distingue um abalo premonitório de uma réplica?
O abalo manifesta-se antes do tremor de terra, e a réplica manifesta-se após o tremor de terra. Ambos são pequenos abalos, sismos de fraca intensidade.
Quando ocorre um sismo as rochas fraturam, diz-se então que se formou uma falha ativa. Assim, a fronteira entre placas pode ser considerada uma falha ativa, além disso, durante os sismos podem ainda formar-se outras falhas ativas associadas à falha principal.
Mas também existem sismos vulcânicos, que estão associados às erupções (Ex: quando o magma está a ascender). Existem sismos secundários, que resultam de acontecimentos geológicos (Ex: deslizamentos de terras). Existem ainda sismos provocados pelo Homem (Ex: Rebentamento de minas pedreiras), é o próprio Homem o causador dos sismos.
Existem sismo de origem tectónica (placas tectónicas); origem vulcânica (subida de magma); sismos de colapso (deslizamentos de terra) ou ainda provocados pelo Homem.
Microssismos: São pequenos sismos de reduzida amplitude. Sabemos que aconteceu algum microssismo, devido ao comportamento de alguns animais, e principalmente porque esses pequenos sismos são registados pelos sismógrafos.
Sismograma: São os registos das ondas sísmicas. Numa estação sismográfica geralmente existem 3 sismógrafos. Um deles regista os movimentos verticais e os outros dois registam os movimentos horizontais, um deles orientado para Norte/Sul e outro orientados para Este/Oeste.

O que é um epicentro ou foco sísmico?
Local no interior da geosfera onde ocorre a libertação da energias sísmica.

Como se determina o epicentro de um sismo? (Com base no esquema 3 da pág:176)
Traçando uma linha na vertical, desde o hipocentro (Local no interior da geosfera, onde ocorre a libertação da energia sísmica) até à superfície.

Profundidade focal é a distância entre o foco e o epicentro.


O que aconteceu para haver o tsunami de 26 de dezembro de 2004?
Foi um sismo cujo epicentro se situou no mar. O sismo tem de ter epicentro no mar, a origem é tectónica (interplaca), de magnitude superior a 7 e o foco sísmico pouco profundo ( inferior a 30Km). Resumindo, é uma onda gigante que teve origem num sismo.
Quando atiramos uma pedra para um lago, é fácil ver as ondas que se formam e como são uma espécie de circunferências perfeitas. Na superfície terrestre é mais difícil a formação de ondas terrestres, mas na realidade elas surgem só que não se propagam sob a forma de circunferências perfeitas, porque razão?
Porque durante um sismo, o terreno vibra na vertical e na horizontal, e a superfície terrestre pode ondular tal como o mar. Por a terra ser heterogéneo (constituída por materiais com características diferentes), logo, vão existir zonas onde as ondas terão mais facilidade em propagar-se e zonas onde terão mais dificuldade, sendo retardadas, assim as ondas passam a ser curvilíneas.
As ondas sísmicas podem propagar-se no interior da Terra, são as ondas profundas ou de volume (ondas P e ondas S), e da chegada dessas ondas à superfície terrestre podemos ter a formação de outras ondas que são superficiais. (Ondas longas ou ondas L).

As ondas sísmicas classificam-se de acordo com o modo como as partículas oscilam ou vibram em relação à direção de propagação da onda.

Assim temos:


  • Ondas P, ondas primárias ou longitudinais. Caracterizam-se pela vibração das partículas ser paralela à direção de propagação da onda. São as ondas mais rápidas, logo, são as primeiras a serem registadas, por isso são designadas por primárias. A propagação produz-se por uma série de impulsos alternados de compressão e distensão das rochas (estica/encolhe), havendo por isso variação do volume do material. Estas ondas propagam-se em meios sólidos, líquidos e gasosos.




  • Ondas S, ondas secundárias ou transversais. Caracteriza-se pela vibração das partículas ser perpendicular à direção de propagação da onda. São as segundas a serem registadas, por isso, são secundárias. A propagação é semelhante à de “sacudir um tapete”, há alteração de forma, mas não de volume. Apenas de propagam em meios sólidos.




  • Ondas L, superficiais ou longas. Propagam-se à superfície terrestre e são responsáveis pela maior parte da destruição, podem ser de dois tipo:

  1. Ondas Love: As partículas vibram horizontalmente, fazendo a direção de vibração um ângulo reto com a direção de propagação da onda. Estas propagam-se em meios sólidos.

  2. Ondas Rayleigh: As partículas descrevem movimento elíptico, num plano perpendicular à direção de propagação da onda. Estas propagam-se em meios sólidos e líquidos.

Estas ondas superficiais resultam da chegada das Ondas S e das Ondas P à superfície.

A intensidade de um sismo depende de:


  • Distância ao epicentro

  • Natureza do subsolo

  • Quantidade de energia libertada

  • Profundidade do foco

Existe uma escala designada escala de Mercalli Modificada, que é utilizada para determinar a intensidade de um sismo. Pois quando ocorre um sismo ele pode ser avaliado na sua intensidade e na sua magnitude.

No caso da intensidade é através da perceção do sismo pela população, e a população baseia-se nos estragos que o sismo provocou para responder aos inquéritos da Proteção Civil, e assim chegar-se à conclusão da intensidade do sismo.

Será esta escala de Mercalli objetiva?
Não, pois depende da perceção das pessoas em relação aos estragos e à sua própria vivência, sabemos que existem pessoas que exageram muito quando estão a descrever um incidente, como também existem pessoas que desvalorizam os efeitos. São as respostas dadas que servem para atribuir uma determinada intensidade. Não é objetiva, mas sim subjetiva.
É considerada uma escala fechada porque tem doze graus e exprime-se em numeração romana. No entanto, nem sempre teve doze graus, quando foi elaborada pela primeira vez por Mercalli tinha 10 graus.

A determinação da intensidade de um sismo permite traçar mapas ou cartas e isossistas.


Isossistas são linhas curvas fechadas, traçadas em torno do epicentro.
Quanto maior for a distância ao epicentro, menor a intensidade dos sismos, mas existem fatores que podem alterar essa regra. Ex: Tipo de construção, tipo de subsolo...
Existe uma escala sísmica objetiva e precisa que é designada por escala de Magnitude de Richter, é uma escala que quantifica, permite calcular a energia libertada no hipocentro de um sismo. Assim, esta escala não depende da opinião das pessoas, mas sim de um cálculo matemático, por isso é um a escala objetiva, precisa e quantitativa.
É considerada uma escala aberta porque faz leituras de maior precisão e não possui limites.
Os sismos tectónicos podem ser classificados como:

  • Interplaca: São os sismos que ocorrem nas zonas fronteiras entre placas.

  • Intraplaca: São os sismos que ocorrem no interior da placa.


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©azrefs.org 2016
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə